quarta-feira, 26 de março de 2014

“Lançamento da Frente Parlamentar Mista para o Desenvolvimento da Faixa de Fronteira”


A CDIF retransmite o convite da Câmara dos Deputados e do Senado Federal para o “Lançamento da Frente Parlamentar Mista para o Desenvolvimento da Faixa de Fronteira”, a ser realizada no dia 08 de abril de 2014, terça-feira, das 11 às 13 horas, no Auditório Nereu Ramos – Anexo II da Câmara dos Deputados.
 
A Frente Parlamentar tem como objetivo defender os interesses das regiões fronteiriças do Brasil e inserir a fronteira como um assunto permanente na agenda política nacional.


 
Contamos com sua presença!
 

terça-feira, 25 de março de 2014

Construída para ser modelo militar, Macapá protegeu fronteira do Brasil

 

Segundo historiador, Macapá serviu como estratégia militar de Portugal.
Capital do Amapá está prestes a completar 256 anos em 4 de fevereiro.

 
Projetada à margem direita do rio Amazonas, a capital do Amapá, Macapá, foi criada pelos portugueses em 4 de fevereiro de 1758 e, prestes a completar 256 anos em 2014, o G1 abre uma série de reportagens sobre o aniversário da cidade. Construída estrategicamente como uma vila modelo militar, ela ajudou a proteger a fronteira brasileira de ameaças estrangeiras durante o período de tentativa de invasão dos franceses. A informação é do professor de História da Amazônia da Universidade Federal do Amapá (Unifap) Paulo Cambraia.
 
"À época o primeiro-ministro de Portugal Marquês de Pombal pensou em um triângulo para proteger a Amazônia. Ele compreendeu o Pará, São José do Rio Negro [atual Amazonas] e Vila Bela [atual Mato Grosso]. Nesse triângulo seriam fundadas cidades no entorno para dar proteção à estratégia. A primeira a ser realidade nesse plano de defesa foi Macapá. A partir do que foi registrado em documentos do século 18, a cidade foi eleita como a vila modelo em obras militares", explicou Cambraia.
No Amapá os portugueses mostraram a grandeza do poder militar e construíram a Fortaleza de São José de Macapá, o maior forte da América Latina. Atualmente o espaço é um dos pontos turísticos mais visitados da cidade. Inaugurada em 19 de março de 1782, dia de São José - padroeiro de Macapá -, a fortaleza nunca teve uma batalha de conflito armado.
Segundo Cambraia, a fundação de Macapá passou pelas mãos de Francisco Xavier de Mendonça Furtado. Naquela ocasião ele era o governador do estado do Grão-Pará e Maranhão e foi o responsável por colocar em prática a criação da cidade. "Macapá foi colocada como a primeira cidade modelo por causa das dificuldades de relação com a Guiana Francesa, à época, principalmente no controle de mão-de-obra escrava. Na ocasião, a cidade servia como rota de passagem de escravos fugitivos da Guiana para o Pará e vice-versa", explicou.
Diferente de Manaus e Belém, que tiveram crescimento da população e economia com base no ciclo da borracha durante o fim do século 19 e início do século 20, Macapá nunca foi sustentada por um ciclo econômico. A agricultura sempre foi para consumo próprio, segundo Paulo Cambraia.
O município de Macapá foi estabelecido pela Lei nº 281, de 06 de setembro de 1856, constituído em cinco distritos: Macapá, Bailique, Carapanatuba, Fazendinha e São Joaquim do Pacuí. No entanto, somente em 1985, a capital escolheu o primeiro prefeito eleito pelo voto popular. O professor Raimundo Azevedo Costa venceu as eleições daquele ano com 52% dos votos, derrotando outros cinco candidatos.
 
Macapá atual
Criada à época com apenas 500 habitantes, Macapá é uma das cidades que mais crescem no país, segundo o Instituto de Geografia e Estatística (IBGE). Atualmente, a capital tem a estimativa de 437.256 habitantes, sendo a quinta maior cidade do Norte do Brasil e a 53ª mais populosa do país.
Macapá também é o município com o maior Produto Interno Bruto (PIB) do Amapá. Do montante de R$ 8,9 bilhões do PIB em 2011, a capital possuía a maior participação, chegando a 62,7%, com R$ 5,6 bilhões.
 
08/01/2014 08h42 G1-Globo