terça-feira, 4 de junho de 2013

Venda no comércio de Quaraí cai 70% com Operação Ágata, diz secretário

Comerciantes alegam que presença do exército intimida clientes uruguaios.
Exército defende que fiscalizações seguem mesmo padrão em todo o país.

A Operação Ágata, que combate crimes de fronteira no Brasil, causa reflexos negativos no comércio em Quaraí, na Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul. “As vendas já reduziram 70%. E o desemprego, que está na faixa dos 40%, deve subir ainda mais”, alerta o secretário municipal do Trabalho e Relações Institucionais, Marco Vieira.

A cidade, que tem cerca de 23 mil habitantes, recebeu reforço na segurança para a operação. Os comerciantes locais alegam que as vendas caíram com a presença do exército no município porque os clientes uruguaios se sentem intimidados, como mostra a reportagem do Bom Dia Rio Grande (veja o vídeo acima) . “Dependemos dos uruguaios para manter o negócio. Nos prejudicou bastante”, comenta o lojista Nidal Ramhi.

As fiscalizações da Ágata ocorrem em diferentes pontos de Quaraí. São cerca de 500 profissionais envolvidos nas abordagens. Um dos locais mais questionados pelos trabalhadores brasileiros é a cabeceira da ponte que liga o município a Artigas, no Uruguai, porta de entrada de clientes estrangeiros no país.

O 5º Regimento de Cavalaria Mecanizada de Quaraí defende que as fiscalizações seguem um mesmo padrão em todas as regiões de fronteira do Brasil. “Nosso objetivo é garantir a segurança e permitir o livre trânsito de quem estiver em situação legal”, resume o tenente-coronel Ilki Amaro Junior.

Somente no município, já foram realizadas cerca de 2,5 mil abordagens. No país, de acordo com dados do governo federal, a operação já apreendeu mais de 6 toneladas de drogas e 8 toneladas de explosivos. Não há previsão de encerramento das atividades, segundo o Exército.


Do G1 RS
04/06/2013 09h57 - Atualizado em 04/06/2013 09h57
http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2013/06/venda-no-comercio-de-quarai-cai-70-com-operacao-agata-diz-secretario.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário